Perante o populismo de Luís Filipe Meneses, a opção válida é Rui Moreira

Luís Filipe Meneses é um dos mentores políticos de Passos Coelho, em duo com Miguel Relvas. Convém começar por aqui.

luis-filipe-menezes-napoleao-2-webLuís Filipe Meneses apresentou a sua candidatura à Câmara Municipal do Porto afirmando que 1/ é uma candidatura que abrange a direita conservadora à esquerda radical (?); 2/ pretende fundir as cidades do Porto e Gaia (?).

Convém dizer que Luís Filipe Meneses já tinha anunciado anteriormente que, se fosse eleito presidente da Câmara do Porto, iria construir um túnel por baixo do rio Douro, ligando o Porto a Gaia. No entanto, parece que Luís Filipe Meneses já se esqueceu dessa promessa despesista.

Luís Filipe Meneses é um populista perigoso; deixou a Câmara Municipal de Gaia falida e altamente endividada. Agora, que Luís Filipe Meneses quer “abalar a fugir pela janela fora” e levando o inferno para o Porto, os cidadãos de Gaia dão-se conta da catástrofe financeira em que se encontra a autarquia.

Por exemplo, as dificuldades financeiras, devido ao endividamento excessivo, da CM de Gaia são tantas, que basta que um cidadão da cidade se atrase uma só semana no pagamento do abastecimento de água, para que a CM mande imediatamente cortar a água e cobre 40 Euros pela restabelecimento do abastecimento: ou seja, por uma factura média de 25 Euros de água, o cidadão incauto que se atrasa uma semana no pagamento, vai desembolsar mais do dobro. A Câmara Municipal de Gaia, depois de Menezes, é uma “casa a arder”!

Depois de ter pegado fogo a Gaia, Menezes quer levar o inferno para o Porto


A Câmara Municipal de Gaia está endividada até às orelhas; será talvez a autarquia mais endividada do país. Não contente com a sua gestão danosa, Luís Filipe Menezes pretende agora levar o inferno da dívida para o Porto.

“O autarca de Gaia e ex-líder do PSD Luís Filipe Menezes considerou hoje a cidade do Porto “muito apetitosa para Portugal” e que “precisa de uma liderança muito forte” depois de concluído o actual mandato. “

Porto é “muito apetitoso” e precisa de “liderança forte”

Luís Filipe Menezes contra o povo de Gaia

As paragens cobertas dos STCP desapareceram

Se o(a) leitor(a) já reparou, as paragens cobertas dos STCP foram retiradas da cidade, porque Luís Filipe Meneses exige o pagamento, por parte dos STCP, de somas avultadíssimas pela ocupação dos passeios das rua de Gaia.

Esta é mais uma filha-da-putice deste presidente da Câmara Municipal de Gaia contra o povo da cidade, a somar a tantas outras negociatas ilegais e corrupção generalizada, como foi o caso do corte de uma árvore secular na Rua Augusto Gomes.

A megalomania do presidente bipolar


A notícia é dos jornais. A Câmara Municipal de V. N. de Gaia planeia a construção de outras duas pontes estabelecendo a ligação com o Porto. Uma, mais a montante, de Oliveira do Douro para o Freixo; a segunda, em plena zona ribeirinha, a permitir o acesso do Cais do Cavaco para Massarelos – entalada entre a de D. Luis e a da Arrábida…

«Do lado de cá, a edilidade não se mostra entusiasmada com o projecto. Cinco e dois são sete e o Porto não é Paris nem Roma nem Londres. Vivemos a apertar o cinto. Na AR, o PSD vem afincadamente criticando a megalomania do TGV e do novo aeroporto lisboeta. (

Cinco – esclareço – é o somatório das actuais pontes rodo-ferroviárias a atravessar o Douro na sua recta final).

Mas a Câmara de Gaia não se atrapalha e tem porta-vozes. A Imprensa explica tudo: daqui a dois anos e meio, sendo então (presumem eles) edil-mor do Porto Luis Filipe Meneses, o sonho tornar-se-á realidade. Um simples compasso de espera, portanto.

Traduzindo: Rui Rio, Presidente da Câmara do Porto, confrontado com a ideia, mandou tivessem juizo – olhassem para o que sobra do País. As conversações acabaram aí, obviamente. Ou melhor: ficaram em banho-maria. Até que surja a dita sucessão na administração deste município. Segundo os optimistas autarcas de Gaia, lá para 2014.

Enfim: descaradamente – em termos politicos – um negócio com o próprio. Meneses delineia-o na margem sul e outorgará mais tarde, em representação da margem norte.

Só acrescentaria – talvez quando Rio participar no Governo desta miserável República, assim continuando a tolher dispensáveis dispêndios. Porque o que é – é, seja para o PS, seja para o PSD.»

via Cinco pontes. Sete pontes? – Corta-fitas.